Início Tecnologia Tailândia e províncias da China impõem proibições contra criptomoedas

Tailândia e províncias da China impõem proibições contra criptomoedas

As proibições contra as criptomoedas foram implementadas para "reprimir a mineração e o comportamento de comércio de Bitcoins e impedir resolutamente a transferência de riscos individuais para a sociedade"

Na última sexta-feira (11), duas províncias da China decidiram proibir a mineração de criptomoedas. Qinghai e Xinjiang estão apenas cumprindo uma decisão emitida em 21 de maio pelo Comitê de Estabilidade Financeira e Desenvolvimento do Conselho de Estado do país.

Segundo a Reuters, o escritório do Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação em Qinghai “ordenou a proibição de novos projetos de criptomineração na província e disse aos existentes para fechar”.

A decisão das províncias tem como principal objetivo “reprimir a mineração e o comportamento de comércio de Bitcoins e impedir resolutamente a transferência de riscos individuais para a sociedade”.

Essa proibição segue outros esforços para impedir a mineração de criptomoedas na Ásia. Em outro projeto, a Comissão de Desenvolvimento e Reforma da Mongólia criou um canal para que os residentes do local pudessem relatar suspeitas de cultivo de criptoativos.

Vale notar que esse movimento deve ter um impacto notável no valor da criptomoeda. Isso porque, de acordo com a Reuters, a China é responsável pela mineração de metade do Bitcoin mundial.

Restrições no comércio de criptomoedas na Tailândia

Dogecoin é uma das criptomoedas proibidas na Tailândia
Foto: Rudolfs Klintsons/Pexels

As províncias chinesas não foram as únicas a implementar restrições à mineração de criptomoedas. A Tailândia seguiu pelo mesmo caminho. A Securities and Exchange Commission (SEC) do sudeste asiático proibiu a utilização de moedas meme, como o Dogecoin.

Por conta disso, as empresas especializadas na troca e comercialização desses criptoativos terão até 30 dias para removê-los dos serviços prestados.

Segundo a SEC, as novas regras chegam para proteger os comerciantes de tokens cujo negócio é diretamente afetado pelas tendências e influenciadores de mídia social.

O Dogecoin, por exemplo, teve um aumento significativo de popularidade após ser mencionado por Elon Musk. Além disso, o preço da moeda meme foi elevado devido à volatilidade por proibições de criptomoedas na China.

Mas além do Dogecoin, os NFTs (tokens não fungíveis) tornaram-se bastante populares. A tecnologia permite que obras de arte – ou memes – virtuais sejam vendidas por até milhões por meio de certificados de propriedade.

Recentemente, Jack Dorsey e Grimes venderam seus respectivos NFTs por valores exorbitantes. Isso despertou a atenção do mercado para a nova modalidade.

Via: Tom’s Hardware/Engadget

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

DESTAQUES