Início Segurança Recorde: mais de 600 malwares detectados por minuto em 2021

Recorde: mais de 600 malwares detectados por minuto em 2021

Análise mostra nova estratégia do cibercrime para disseminação de ransomware como serviço e novos malwares de mineração

Um recorde que assusta. No primeiro trimestre de 2021, o volume de novas ameaças virtuais atingiu um patamar histórico, com uma média de 688 malwares detectados por minuto no período – 40 ameaças a mais por minuto em comparação com os últimos três meses do ano passado. Os números são de um estudo recém-divulgado pela McAfee.

Segundo a análise, os cibercriminosos também mudaram suas táticas. Os ataques aleatórios de ransomware de baixo retorno estão sendo substituídos por campanhas personalizadas de sequestro de dados de empresas maiores e, consequentemente, mais lucrativas.

“Hoje vemos o ransomware como um serviço apoiando muitos participantes nesses esquemas ilícitos que mantêm organizações como reféns e extorquem grandes somas”, afirma o pesquisador da McAfee Raj Samani.

Detecção de novos malwares bate recorde no primeiro trimestre de 2021
Detecção de novos malwares bate recorde no primeiro trimestre de 2021

Novo cenário de ameaças

Segundo os especialistas em segurança, a estratégia de ataques exclusivos diminuiu o risco de detecção, mas – ao mesmo tempo – reduz também o volume de ransomwares que, em termos de números, caiu 50% no primeiro trimestre de 2021.

Outra análise aponta um aumento de 117% na disseminação de malwares de mineração de criptomoedas. A McAfee também observou várias novas cepas de malware projetadas para explorar vulnerabilidades em dispositivos de internet das coisas (IoT) como webcams e roteadores para vinculá-los a um botnet para uso em ataques de negação de serviço (DDoS).

Malwares de mineração

O número de variantes de mineradores maliciosos de criptomoedas quadruplicou no primeiro trimestre de 2021. Segundo relatório recém-divulgado pela Kaspersky, a quantidade de modificações únicas passou de 3.815 em fevereiro para 16.934 em março. Os pesquisadores também identificaram a existência de mais de 23 mil novas versões desta ameaça no período.

Esses mineradores são programas maliciosos criados para roubar criptomoedas de dispositivos infectados. Normalmente, são instalados ser que o usuário perceba e atuam desviando lentamente pequenas quantidades de vários tipos de criptoativos.

Fonte: techradar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

DESTAQUES