Início Tecnologia Facebook é acusado de inflar números de alcance de propósito

Facebook é acusado de inflar números de alcance de propósito

Executivos da rede social de Mark Zuckerberg sabiam há anos que o alcance potencial estava inflado e enganoso; Facebook se defende

Os executivos do Facebook estavam cientes de que o número de usuários que seus anunciantes poderiam alcançar estava superestimado. A informação é de um processo relatado pelo Financial Times.

Um gerente de produto alertou executivos da empresa em 2018 que os números potenciais de alcance do público do Facebook estavam “profundamente errados” e inclusive sugeriu alterar as métricas para torná-las mais precisas – e reais.

Mas, ao que tudo indica, os executivos seniores simplesmente rejeitaram as mudanças, dizendo que o impacto sobre a receita seria “significativo”, de acordo com o documento divulgado.

Jogo sujo do Facebook?

O processo diz que o Facebook usava contas falsas e duplicadas em suas métricas de alcance potencial; assim, os números sugeridos em certas regiões chegavam a ser maiores do que o número de pessoas que viviam no local.

“O Facebook sabia há anos que seu alcance potencial era enganoso e ocultou esse fato para preservar seus próprios resultados financeiros”, afirma o documento.

Facebook
Trecho do documento divulgado – Imagem: reprodução/Twitter

Apenas estimativas

O Facebook se defende. Diz que os números eram apenas estimativas e que os anunciantes não pagam com base no alcance potencial, mas sim nas impressões de anúncios e cliques.

Ainda assim, os números de alcance são usados ​​por anunciantes por motivos de orçamento, e o próprio Facebook disse em um documento interno que o dado era “indiscutivelmente o número mais importante em nossas interfaces de criação de anúncios”.

A história se repete

Esta não é a primeira vez que o Facebook é acusado de inflar o número de usuários na plataforma. Em 2016, a empresa admitiu que havia exagerado as visualizações dos vídeos dos usuários por dois anos. Em 2019, a rede social comandada por Mark Zuckerberg concordou em pagar 40 milhões de dólares para liquidar as reivindicações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

DESTAQUES